Educação e esportes para crianças que vivem em situação de vulnerabilidade social

Corona no Brasil

Uma atualização sobre a situação do Brasil de 2020, em particular, na Estrela da Favela.

Fechamos a escola ao mesmo tempo em que o bloqueio holandês começou: 16 de março de 2020. 

Todas as crianças estão em casa.

No Brasil, o coronavírus está em estágio inicial. O presidente de direita, Jair Bolsonaro, argumentou, por muito tempo, em entrevistas, que “o vírus é só uma gripe insignificante." Ele exortou o povo a voltar à vida normal, a sair pelas ruas e trabalhar, contrariando o conselho do próprio  Ministério da Saúde.

No entanto, os governadores dos estados decidiram, apesar da opressão de Bolsonaro, manter as medidas restritivas.

Hoje ele se viu obrigado a reconhecer que a pandemia é séria.

Em uma cidade como o Rio de Janeiro, onde as pessoas vivem nas favelas muito próximas umas das outras e têm empregos informais, as perspectivas são desanimadoras.

Muitos nem dispõem de água encanada ou saneamento básico. Crianças brincam próximas ao esgoto a céu aberto. Sabemos, em primeira mão, que os enfermeiros  trabalham desprotegidos, atendendo a pacientes infectados pelo Corona  e os hospitais estão diminuindo os números das mortes.

Felizmente, o vírus ainda não foi detectado na Mangueira, casa da Estrela da Favela.

 As escolas estão fechadas. 

Em umas favela os traficantes de drogas estabeleceram um toque de recolher. Ninguém pode ficar na rua depois das 20:00h. Aqueles que desobedecerem sofrerão as consequências.

Tivemos que fechar nossas portas com o coração pesado. 

Como  computadores e telefones são escassos na favela, educação em casa, pela Internet, se torna impossível. 

Quem tem um telefone pode pagar apenas por dados limitados da Internet.

Estamos montando um sistema no qual as professoras preparam aulas  para dever de casa, que os alunos podem buscar num local central no bairro. 

Toda semana, os resultados são entregues e corrigidos. 

À medida do possível, estamos em contato com nossos alunos e suas mães / avós, que precisam manter seus filhos dentro das pequenas casas.

Esperamos que nossas professoras e os alunos superem a tempestade com boa saúde. 

Até então, estamos fazendo o possível para orientar nossos alunos e suas famílias nesses tempos extremos a preservar suas valiosas vidas.